terça-feira, 1 de junho de 2010

´´A elaboração onírica`` (Sigmund Freud - Conferências Introdutórias à Psicanálise, Os sonhos)

Freud inicia seu texto reforçando que não se pode interpretar os sonhos apenas pelo que se compreende em um primeiro momento, ou seja, o sonho manifesto. Retomará que o sonho manifesto é o resultado de um processo denominado elaboração onírica, que consiste na passagem do conteúdo latente (inconsciente), para uma representação através de nossos sonhos (conteúdo manifesto e consciente). Sendo assim, todo sonho, mesmo que sendo facilmente reconhecido como um desejo do indivíduo, ainda assim conterá transformações, pois foi elaborado de forma que a consciência tenha recursos para representar este conteúdo. O sonho manifesto também será sempre de menor extensão do que o sonho latente. Isso acontece pela ação do mecanismo de condensação, que explicaremos em seguida, e pela impossibilidade de se esgotar o conteúdo latente.

Para Freud, os sonhos mais abstratos passam por um processo de maior elaboração onírica. Com intuito de diferenciar o processo de formação desses sonhos denomina essa de elaboração exacerbada como deformação onírica.

Em seguida explicara mais profundamente as três realizações constituintes da elaboração onírica, A Condensação, o Deslocamento e a Figurabilidade.

1.Condensação

O primeiro mecanismo se trata da condensação, “fusão”, de diversos conteúdos latentes em um único manifesto. Segundo Freud, está presente em muitos de nossos sonhos, mas não necessariamente em todos. Os conteúdos condensados representam apenas parte do sonho latente e para serem condensados precisam possuir um núcleo em comum. O resultado é uma imagem que contém características de vários objetos em apenas um, tendo assim caráter fantasioso. Por exemplo, um jovem sonha com um cachorro que fala inglês e trabalha no ramo do cinema. Está imagem, não faz sentido algum se entendida apenas em sua manifestação. Através de uma análise contextual, e associando livremente essas características o dono deste sonho pode associar, por exemplo, a imagem de seu cachorro condensada, com a de uma professora de inglês e ao mesmo tempo com a imagem de seu amigo que entende de cinema. Lembrando-se do momento que esta vivendo, essa pessoa se da conta de que tem um cachorro e um compromisso com o mesmo. Lembra-se também que está prestes a realizar um exame de proficiência de inglês, e ainda que seu amigo entendedor de cinema recentemente mudou-se para Miami. Temos no cachorro a imagem condensada de um compromisso, com o inglês e a relação dessa língua com seu amigo que reside em um país de língua inglesa e que o jovem também tem o compromisso de contatá-lo. A análise desta manifestação não se esgota nesse ponto, mas nos daremos por satisfeito apenas como exemplo de condensação.
Freud ressaltará ainda que a mente não inventa novos elementos, apenas os condensa. A criação se da, portanto através do mecanismo de condensação. Citará o exemplo do Centauro, como ser “criado”, mas que é apenas a combinação da imagem de um homem com a de um cavalo. Nos sonhos isso também é válido, “criamos” imagens condensadas.

A condensação se da também fora dos sonhos. Parapraxias(atos falhos) podem ser de certa forma muito semelhantes a uma condensação. Analisando a frase “o palhacio do sultão era muito grande” Aceitando o neologismo, “palhacio”, como ato falho, pode-se ainda sugerir que tal palavra nada mais é do que a condensação de palácio, com palhaço. Como na análise da condensação do sonho, para entender essa condensação, o criador deste ato falho deve analisar e associar o sentido e contexto que estas palavras lhe remetem.

Não podemos também considerar a condensação como tradução de conteúdo latente para manifesto. Em uma tradução, o conteúdo é fielmente traduzido. Na condensação ele é fielmente misturado e resumido.

Em suma, o mesmo elemento latente pode estar presente em mais de um conteúdo manifesto. Por sua vez, um conteúdo manifesto contém mais de um elemento latente. Não há também um padrão para a transcrição destes pensamentos. Os conteúdos manifestos não são, de forma alguma de fácil entendimento em uma condensação, não se pode levar a ação do sonho literalmente com o que se manifesta. Importante ressaltar que a condensação, não parece ser a Freud um mecanismo da censura, mas há um fator automático ou econômico isto é, para menor gasto energético, mesmo que a censura pareça lucrar com a deformação propiciada por esta realização.

Logo temos:

1- determinados conteúdos latentes são totalmente omitidos

2- apenas algum fragmento do conteúdo latente transparece de modo manifesto

3- alguns elementos latentes combinam entre si, por possuir algo em comum, e se fundem em uma só unidade no sonho manifesto.

2.Deslocamento

Primeiramente, não podemos dizer que o deslocamento é um mecanismo de defesa, mas sim um modo de funcionamento do inconsciente. A censura faz uso da realização do deslocamento e da condensação, mas não é responsável por sua formação. Embora Freud ainda compreenda neste texto que o deslocamento é, diferentemente da condensação, obra da censura, posteriormente essa idéia se modificará.

O deslocamento se manifesta de duas maneiras: Por alusão e por mudança do acento psíquico.

Alusão: Se no sonho manifesto temos A, se manifestará B. Sendo que B aparentemente não possui nenhuma ligação lógica com A. Em nossa linguagem deslocamos, mas com uma relação inteligível. Por exemplo, nos chistes, há uma relação. Ex: “a Patrícia vai falar das patricinhas”. A função do chiste só tem valor com a relação inteligível entre patrícia e patricinhas. Se a frase fosse “a Patrícia vai falar do Mauricio” não há relação inteligível aparentemente, portanto, o chiste perde sua função. Nos sonhos, os deslocamentos não respeitam essas regras.

Mudança do acento psíquico: Podemos sonhar com a imagem de um padre, mas o conteúdo latente era nosso pai. Por ação da Censura, deslocamento, foi possível deslocar a figura. Não só a figura, mas também a libido, energia catexisada(investida) à mesma. Em um sonho em que o protagonista mata o pai, é mais fácil aceitar que se matou o padre, e não o pai. Esta mudança de uma imagem importante para outra é a mudança de acento psíquico
Resumidamente, como a própria palavra sugere, se desloca, muda de lugar, a imagem, e a importância dada a esta imagem. A importância é deslocada, pois é deslocada a libido, de um objeto para outro.

Em nosso cotidiano o mecanismo de maior afinidade com o deslocamento é a transferência. O paciente transfere a importância antes dada para a figura de seu pai, para a figura de seu analista, por exemplo.

3.Figurabilidade.

A figurabilidade da elaboração onírica constitui na transformação de pensamentos em imagens visuais, É a linguagem na qual se traduz conteúdos latentes em manifestos, muito embora nem todos os conteúdos sejam traduzidos, alguns realmente aparecem em forma de conhecimento ou pensamentos. Segundo Freud, é uma passagem difícil, como da escrita alfabética, onde se define as entonações de palavras, quantidade e regras, para uma escrita pictórica, ou seja, de imagens. Será necessário muito trabalho para conseguir reproduzir a palavra através de imagens. Pensando na língua portuguesa, felizmente possuímos uma palavra que outras línguas não possuem, Saudades. Na língua inglesa para reproduzir tal palavra terá de se formular a frase “I miss you”. Ou seja, foi necessário construir uma frase, e ainda assim foi representado apenas um dos sentidos da palavra.

Considerações

É importante lembrar que os mecanismos de condensação e deslocamento não se restringem ao processo onírico. Por se tratarem de modos de funcionamento do inconsciente, atuam nos lapsos, chistes e sintomas (manifestações, como visto anteriormente, do inconsciente).

Além de compreender a elaboração onírica, este texto também permite uma apreensão do trabalho interpretativo, realizado por um analista. Consiste em chegar, a partir do sonho manifesto, ao conteúdo latente, através da associação-livre do paciente, atenção flutuante do analista e nosso trabalho interpretativo.

5 comentários:

  1. MEU DEUS SOCORRO QUE TRÊM DIFICIL É ESSE DE COMPREENDER!!! SÓ FREUD PRA EXPLICAR E ENTENDER ISSO..... RSRSRSRSRS

    ResponderExcluir
  2. Muito bom!, estava estudando uma das obras de Freud, e tava perdida com o signigicado dos nomes,esse texto me ajudou muito.

    ResponderExcluir
  3. Também estava fazendo uma leitura de Freud e nao estava conseguindo definir os termos. Esse texto ajudou muito na interpretaçao!!! Excelente!!!

    ResponderExcluir